Textos extraídos da coluna Releitura, Jornal Sinal de Fumaça do Terreiro de Umbanda Tribo de Aruanda.
Procure o seu nas casas de vendas de artigos umbandistas.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

"O quê Oxossi?"

Coluna Releitura - Jornal Sinal de Fumaça - Edição 2

Na primeira gira do ano, especificamente na homenagem a Oxossi, em meio a folhas espalhadas pelo chão do terreiro, fui convidado a conversar com um caboclo desta linha. Ao me sentar em frente daquela entidade e ser invadido por uma alegria indescritível, começou um diálogo no mínimo curioso, pois não conseguia entender uma palavra do que este Caboclo me dizia, conseguia entender sim seu sorriso. Envergonhado, minha única reação era concordar em movimentos de ‘sim’ com a cabeça, e cada vez que me reportava com dúvida: “O que?”, ele, orgulhoso e sorridente, batia bravamente em seu peito e exclamava em alto e bom tom: “Okê”. Vencido pelo cansaço, passei a entender aquele encontro de outra forma. Acredite, diálogos não são feitos apenas de palavras, e ele sabia muito bem disso. Aquela entidade transmitia uma sensação de alegria tão intensa,  que as palavras se tornaram dispensáveis. Quantas vezes em nosso dia-a-dia insistimos em dizer aquilo que poderia se fazer entender em pequenos atos, como aquele sorriso que recebi na primeira gira do ano?  Sem a intenção de entrar nessa questão, convido você a refletir comigo sobre uma fase que é tão acentuada quando somos crianças e que pode se perder ao passar da idade com a mesma naturalidade com que chegou, a fase dos ‘porquês’.
Trabalho com crianças, fato este que me faz refém desta pergunta diariamente. Por volta dos três a quatro anos de idade, a criança desperta para a curiosidade de entender como as coisas funcionam, isto ocorre devido ao fato da construção da própria identidade, quando a criança começa a se descobrir, ter noção do seu próprio “Eu”, da importância da sua existência, das coisas que consegue fazer, que vê ou que ouve. A partir desta descoberta passa a perceber os fatos ao seu redor dando maior ênfase a como tudo acontece, ou seja, os porquês referentes a esses. Essa curiosidade, a busca da compreensão do mundo, é que a levará a fazer novas descobertas, aguçando sua percepção para o aprender.
A Teoria Geral dos Sistemas (T.G.S) originada dos trabalhos do biólogo austríaco Ludwig von Bertalanffy se baseia na necessidade de avaliar uma organização como um todo, e não somente a partir de suas partes. Sem a visão abrangente do todo, tornamo-nos impossibilitados da verdadeira compreensão dos fatos, pois nos habituamos a concluí-los apenas pela visão das partes. Para a T.G.S, a aprendizagem se dá através de RUÍDOS (estímulos), estes geram uma instabilidade que nos tira da zona de conforto e nos obriga a novas organizações reflexivas/corporais. Sugiro a você leitor, propor ruídos a si mesmo e aos que o cercam, para buscar uma compreensão que sem dúvida apaziguara tantos porquês que cercam nosso pensar e muitas vezes não são exteriorizados, tirando cada um de nós dos comodismos diários, sem deixar de espelharmo-nos naquela criança que incessantemente busca o saber.
Após meu diálogo sensorial com o Caboclo de Oxossi e um forte abraço do mesmo seguido de um último “Okê”, fui pego de surpresa pela incorporação de Curumim,  que, curioso, arrastava-se pelo terreiro em busca de novas descobertas, ajudando este cavalo a entender que não existem perguntas erradas, nem tampouco respostas certas, o que existe é apenas o momento em que cada um vive, pois tudo que enxergo é apenas aquilo que minha visão alcança. Jean Piaget, epistemólogo suíço, considerado o maior expoente do estudo cognitivo dizia que

"O professor não ensina, mas arranja modos de a própria criança descobrir...".

Nesta gira em questão, a criança que vos escreve precisou achar seus próprios modos de descobrir. Grandes professores do Astral, deixo aqui minha gratidão para com aqueles que, incansavelmente respondem a todos os nossos “por quê?”, “o que?”, “como?” e “quando?”, nos instigando a criar nossos próprios ruídos.
Axé.

LeiA +

11 comentários:

  1. Ao ler sua mensagem me faz refletir sobre a vida sobre como é importante prestar atençao nos sinais a nossa volta como e curioso o porque em nossas vidas mas tudo tem um por que nao é meu amigo ?
    Adimiro sua vida ,e sua maneira de ver o mundo,,,fica na paz de nosso pai OXALA,,,abraços!!!

    ResponderExcluir
  2. observar...saber rir sozinho e observar. quem sabe fazer se conhece muito melhor, de fato. normalmente é dom de velhas crianças que passaram o recreio sozinhas.
    as outras...me pergunto se, se prestassem atenção, teriam as mesmas sensações, ou se realmente não.
    será que existe "menos sensível"?

    =*

    ResponderExcluir
  3. observar...saber rir sozinho e observar. quem sabe fazer se conhece muito melhor, de fato. normalmente é dom de velhas crianças que passaram o recreio sozinhas.
    as outras...me pergunto se, se prestassem atenção, teriam as mesmas sensações, ou se realmente não.
    será que existe "menos sensível"?

    =*

    ResponderExcluir
  4. "Avalia-se a inteligência de um sujeito pelo numero de incertezas que ele é capaz de suportar"(KANT)

    foi o que me veio a cabeça quando me deparei com esse texto. Me utilizando do nome do blog... releituras... imagino Kant hoje, depois de entrar em contato com a TGS, reescrevendo sua frase...seria algo do tipo " avalia-se a inteligência de um indivíduo pelo número de ruidos e instabilidades que ele pode suportar."
    Hoje somos induzidos a relacionar felicidade a estabilidade. Estabilidade financeira, profissional, emocional... e esquecemos que são as mudanças de trajeto, surpresas e imprevisibilidades que nos fazem crescer, conhecer e SER.
    Um grande beijo,
    Patrícia Machado

    ResponderExcluir
  5. Oi Mario,
    Tive o prazer de participar de uma palestra com o profº Dr. Antônio Raimundo na FIEP. Ficou dali uma palavrinha chave dita por ele: POR QUE?
    Essa nos faz levantar a bundinha do nosso pensar e sentir a se levantar e segue aí a busca, eu diria a incessante busca.

    Ótimo texto.
    Abraço,

    Jair Gabardo.
    www.paraquefiquem.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. 23 de Fevereiro de 2011

    Ola querido, é interessante sua mensagem,
    e o mais interessante é que sempre vai existir
    uma criança dentro de nos, a comunicação e as expresões e gestos, faz parte de cada um de nos
    interpletar o que sentimos e o que queremos, a vida é maravilhosa para quem sabe vivenciar ela,
    apreciar as maravilhas do universo em nossa volta, asim são as crianças buscando nas suas
    imaginações, O QUE, PORQUE, e asim vai, é maravilhoso nossas descobertas, nao importa sua idade, agimos como criança pela alegria de conquistas e descobertas.
    Meu querido, sucesso sempre pra vc.
    Bjs (Wan Grega)

    ResponderExcluir
  7. Excelente seu texto, Marinho. Este despertar, que você tão bem cita, da criança entre os 3 a5 anos, é exatamente quando as lembranças da última encarnação se desvanecem completamente(?)e ela começa a se encaixar em sua nova aprendizagem no mundo físico. Aí então começam os intermináveis "por quês", que ao meu entender nunca cessam até entrarmos novamente na "verdadeira vida" e aí sim, termos nossas respostas para tudo o que realmente importa! É uma deliciosa surpresa a cada semana este texto tão bem escrito e tão gostoso de se ler!
    Beijos ao Mario,meu amigo,ao Curimim, aos caboclos e caboclas da Umbanda que tanto respeito!
    Moema

    ResponderExcluir
  8. mario cesar patruni3 de março de 2011 06:54

    texto de uma sensibilidade afluente que nos faz refletir sobre o corre-corre do nosso cotidiano, e nao nos sobra mais tempo para descobrimos que a nossa volta existe um mundo maravilhoso, das nossas crianças, jovens, e das pessoas idosas, que nescessitam um pouco do nosso tempo para conversarem.O ser humano, nao está mais acostumado a ouvir,ele nao tem mais paciencia para ouvir as pessoas ou mesmo se questionar sbre os "porque" de suas insatisfaçoes. um grande beijo do teu paizão que te ama muito!

    ResponderExcluir
  9. "Quando a criança começa a se descobrir, ter noção do seu próprio “Eu”, da importância da sua existência, das coisas que consegue fazer, que vê ou que ouve. A partir desta descoberta passa a perceber os fatos ao seu redor dando maior ênfase a como tudo acontece, ou seja, os porquês referentes a esses. Essa curiosidade, a busca da compreensão do mundo, é que a levará a fazer novas descobertas, aguçando sua percepção para o aprender."

    Todos nos deveriamos mesmo que adultos tentar interagir com o mundo,dando enfase nas coisas que apesar de serem simples, fazem parte do nosso universo....Otimo texto..seguindo e bom carnaval....vick

    ResponderExcluir
  10. Marinho muito bom este teu blog. Estou na fase de muitos "porques" e estarei aprendendo sempre.
    Obrigado e sucesso !!!!
    Axé!!!!
    Paulo César Lopesa

    ResponderExcluir