Textos extraídos da coluna Releitura, Jornal Sinal de Fumaça do Terreiro de Umbanda Tribo de Aruanda.
Procure o seu nas casas de vendas de artigos umbandistas.

domingo, 14 de agosto de 2011

Feijão, arroz, Peppino e Fernandos !

Meu almoço de dia dos pais foi feijão com arroz. Papai almoçou lasanha em companhia da minha mãe, irmã, tia e primas. Papai sempre merece tudo de melhor e o feijão com arroz deste domingo teve gosto de lasanha, como se eu estivesse lá. Essa tal distância nunca separou ninguém. Ano de Iansã, assim dizem. Este mês em especial, uma ventania de contas levou todo meu dinheiro. Oh minha mãe, tantas outras coisas  eu queria que a Sra. levasse, porque justo meu dinheiro? Sem abrir mão de um vinho aos domingos, não tive dúvidas, parcelei um de R$ 6,00 em 3x no visa, e cá estou.
Tenho este jeitão meio velho mesmo. Gosto de morar sozinho, pensar sozinho, caminhar sozinho. Gosto também de saber que apesar de tudo não sou sozinho. Nas principais datas comemorativas não estou com minha família e nas datas habituais, cá estou, passo a passo de mãos dadas comigo. Sou esta pessoa. “Eu que me agüente comigo e com os comigos de mim...” Outro Pessoa, o Fernando, traduziu nesta frase a individualidade e a versatilidade da personalidade de cada um. Quantos ‘dades’ ein! Se fosse falar apenas sobre isto, não seria tão difícil, porém, meus ‘eus’, estão em constante mudança e adaptação em relação aos ‘seus’ e aos ‘nossos’. Fica a pergunta que não quer calar: Eu preciso me agüentar com meus vários ‘eus’, mas, as outras pessoas precisam? Obvio que não. O vento de Iansã se encarrega de gerar mudanças, aproximando e afastando pessoas, coisas, pensamentos, ações, hábitos. Tudo bem, o ano pode até ser de Iansã, então aproveitemos para fazer as mudanças que precisamos em nossas vidas, já que a energia é propicia para tais atos, mas, que elas sejam realizadas dentro da justiça, da calma, do acolhimento, da reflexão, força e determinação.
O parágrafo mudou, a reflexão acerca de mudanças ainda não. A última gira da Tribo foi de Exú, literalmente a última. Acredito que nosso terreiro tem vida própria, e está acima das vontades de qualquer individualidade que seja. Desde que estou em Curitiba, mudei-me de casa 8 vezes. A Tribo esta mudando de casa a primeira. Em todas as vezes que saía de uma, parecia que nunca encontraria o lugar certo pra mim. Sempre encontrei. Ainda estamos procurando e sabemos que vamos encontrar o espaço certo, não o perfeito. Nossas imperfeições geralmente transpassam a nós mesmos deixando o espaço assim como nós, mutáveis e imperfeitos. Será que devo colocar um anúncio no jornal? Algo do tipo:

Procura-se um espaço com:
- Uma Sala onde a assistência possa ser bem atendida como merece. E ali, o lado espiritual fale mais alto que qualquer vontade individual.  Onde a corrente possa girar em pensamentos positivos e estes, movam e acentuem minha vontade de ajudar, não somente ‘eu’ e meus vários ‘eus’, mas a todos os ‘vocês’; em forma de abraço sincero naquele que conta comigo, em forma de palavras de carinho naquele que por ventura possa me magoar. Para que eu pratique o perdão, o sorrir e o chorar.
- Um banheiro onde eu possa tirar minha roupa do dia-a-dia e junto com ela tire aquilo que me faz mal, aquilo que me faz pensar mal e principalmente aquilo que está tão em mim que não me dou conta e possa me conscientizar que se esta em mim sou eu. Mas minhas roupas são diferentes das suas e, sua forma de vestir-se pode não me agradar, mas preciso respeitá-la. Que eu possa colocar o branco e perceber que sou igual a qualquer um, nem mais, nem menos. Sendo igual, minha fome não é maior que a sua, nem tampouco minha sede. Meus problemas não são maiores que os seus e, que minha vontade de ajudar os outros precisa sim, ser maior que minha vontade de ajudar a mim mesmo.
- Uma pequena área externa para eu me dar conta que, por melhores que sejam os aprendizados que absorvo na gira, existe um mundo lá fora, e se eu não colocá-los em prática, de nada adianta eu girar. Que aquilo que eu faço é mais importante do que aquilo que eu falo. Que em meio às pequenas confraternizações nesta área externa, eu perceba que cabe a mim te ouvir sim, mas não me cabe querer transformá-lo simplesmente por acreditar que minha interpretação sobre aquilo que ouvi, me faz acreditar que a forma que eu agiria em seu lugar, é a forma correta de agir.

Sou um verdadeiro apaixonado por mim mesmo. Nem se trata de vaidade, falo isso com modéstia. Apaixonado pelas minhas qualidades e até por meus defeitos. Minha paixão move meus atos, já minha razão delimita-os. Como um apaixonado de plantão, invento trilhas sonoras para todas as situações pela qual passo. Hoje a trama do meu filme segue ao som de Peppino, o di Capri, não o legume.  Como em uma paixão, me decepciono comigo mesmo e me encanto a cada instante. Enquanto ouço ‘Um Grande Amore e Ninte Più’, sou invadido por uma grande paixão. Não somente aquela paixão romântica, mas a paixão ligada a fé, que não deixa de ser um romance mas, que me faz acreditar que posso ir além e tudo vai dar certo no final. Ok, eu paro, esse papo de paixão esta te deixando meio enjoado? Ouça a musica e tente não ser contaminado por tal sentimento.
Paixão muda o que sou por dentro, o resto, são mudanças que acontecem fora. Se mudo o dentro mudo o fora. Tudo novo de novo. Tudo de novo, novo. Fernando, o Veríssimo, não o Pessoa, fala que:
O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos e seus atos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença. A vida muda, quando você muda.”
De Fernando em Fernando o Marinho enche o papo, e, por falar em papo, ele está ótimo, acredite, mas a hora da mudança chegou. Precisamos mudar de espaço, de velhos hábitos e principalmente de velhas opiniões. Hoje o feijão com arroz foi um verdadeiro banquete, mas eu não comeria apenas isso todos os dias.   

11 comentários:

  1. Li e reli... também estou passando por mudança... mudança interior... e por mais difícil que seja eu sei que ela é necessária!!! Então é criar forças e ir em frente...
    Como sempre adorei o texto!!
    Melissa de Castro

    ResponderExcluir
  2. Amei cada palavra amigo....Me fez um bem danado ler isso especialmente no dia de hoje...
    To achando que vc vai escrever um livro antes que eu...ahahahhaa..saudadesss...beijosss:)

    Maureen Rodrigues

    ResponderExcluir
  3. Ontem... fomos assistir a uma peça de teatro, la no Zé Maria Santos, o nome: Vertigem. Inspirada no livro A INSUSTENTÁVEL LEVEZA DO SER, lindos diálogos dos curitibanos... O Que é Vertigem? É o exato momento antes da queda, é o medo do desconhecido, é o não saber se a decisão de ir será a correta... Será melhor permanecer na segurança daquilo que conheço e que cansei e que não me serve mais??? Ou devo me arriscar diante do desconhecido, embora não tenha a menor idéia do que possa vir a acontecer...?? Sou como vc querido irmão de corrente e amigo Marinho, prefiro me arriscar a novos rumos, mesmo que com isso algumas vezes eu caia... Que importa? Quando caio levanto e continuo e se cair mil vezes ... mil vezes me levantarei. Morei 13 meses em Londres e nos primeiros 5 meses, mudei de casa 9 vezes... Tinha de encontrar o lugar certo pra mim, não ia me acomodar com qualquer um... Afinal EU mereço o MELHOR... Encontrei e lá fiquei feliz e relaxada pelos próximos 8 meses... Que seria de mim se me acomodasse no primeiro espaço que encontrei? Provavelmente não me bateria tanto em busca do MEU lugar ideal... mas por outro lado, tbm não teria meu quartinho sózinha com tv, num bairro central, perto dos meus empregos durante os outros 8 meses... Acredito que la no Astral Superior tudo ja está prontinho... Até essa COISA da nossa Tribo ficar sem sede ja estava escrito... Tão bonito..... ai ai. Nós sem sede para os trabalhos, mas unidos numa corrente de fé tão forte, um desejo tão grande de encontrar o nosso próximo canto, uma união que o Pai Joaquim sempre nos pedia... Nunca me senti tão unida a Nossa Tribo como agora, que não temos um ponto oficial de encontro... A União se fez... o espaço físico, tbm ja vai chegar...
    Ana Maduhuhuhuhu

    ResponderExcluir
  4. As mudanças tem que acontecer mais cedo ou mais tarde.Acho que depois da ventania ficcassse mas forte para a proxima ventania. A Espiritualidade quando se tem ,acontece em qualquer lugar. é um dom divino de cada um ,os egos e invejas não pode existir .os que estam juntos sabe porque estam juntos o resto o tempo vai nos mostrar ....
    Lindo texto ,gosto do feijão com arroz pois sou muito terra,o impotante é o valor que é dado o que esta na mesa Que venha os ventos de Iansã. vamos estar juntos na mesa comendo feijaõ com arroz . bjs

    JAIR MORAES

    ResponderExcluir
  5. Ameiiiiiiiiiii parabens

    ResponderExcluir
  6. Pai Marcio - Pai de Santo - Tribo de Aruanda15 de agosto de 2011 13:37

    É acho que a mudança vem quando tem que vir, e a mudança chegou para nós, é hora de levantar a poeira, de sacudir as roupas, colocar os pés no chão, e deixar a gira girar. Penso que não seja a toa que Pai Joaquim lhe entregou a missão de colocar em palavras o que acontece na Tribo, com o titulo muito sugestivo, “ Quando a gira girou”. Pois foi, quando a gira girou, que ninguém suportou e cada um reagiu a sua maneira, aos seus interesses e fico muito feliz que os interesses de muitos era e é, a espiritualidade, o desenvolvimento e o comprometimento com as entidades e o trabalho espiritual que praticamos. Com uma ventania Inhansã nos fez sacudir, nos fez levantar poeira e firmar os nossos pés num único objetivo, “União”, engraçado tudo isso, que para unir tenhamos que estar distantes por um breve tempo, mas a mudança é necessária e bons tempos virão, para nos acalmar, nos fortalecer nos engrandecer. As chuvas, os ventos, as tempestades e furacões virão e estaremos firmes para enfrentar tudo de frente e de braços abertos. É Mãe Inhansã nos dando um recado? É a vida nos mostrando caminhos ou descaminhos? Penso que é tudo isso junto para mostrar que se temos um objetivo, teremos que lutar por ele. E tenho a certeza que todos nós da Tribo de Aruanda estaremos juntos, sempre, para lutar e perseverar.
    Achei este vídeo, e penso que seja o momento certo para todos nós assistirmos.
    http://www.youtube.com/watch?v=H4Fey5iurac&feature=player_embedded#at=75

    Axé a todos

    Como sempre, excelente texto Marinho!

    ResponderExcluir
  7. li o texto ontem , quentinho ... na hora não tive como expressar minhas palavras ...
    mas hoje, essa música que nosso Pai de Santo postou , povou a minha mente ... ao ponto de coloca-la no orkut ... por acaso resolvi entrar agora, a 1:35 da manhã , no blog do Marinho(que por sinal está entre meus sites 'favoritos', pra facilitar o acesso, rs) ... então, leio os comentarios ... copio o link da musica ... e o que ouço ??? "deixa a gira girar" ... assim como ouvi o dia todo na minha cabeça ...
    bom, acho que não tem jeito melhor de terminar o dia de hj do que assim ...

    deixemos a gira girar ...

    e a cada dia acredito mais e mais , que nada acontece por acaso ...

    beijos Marinho ... uma ótima semana ...

    ResponderExcluir
  8. òtimo texto, como sempre, vc sempre escreve o que temos que ler....com certeza essas mudanças que ainda vão ocorrer em sua vida serão para melhor, porque vc é uma pessoa muito iluminada, e muito corajosa....e seu caminho já está escrito...E quanto à sua lazanha , não se preocupe que a sua parte chega hoje de ônibus!rsrsrrsr

    ResponderExcluir
  9. Hoje tive tempo para sentar e ler seu texto! Fiquei feliz com o que li, por ver sinceridade e acima de tudo muita "Verdade", a sua verdade estampada aqui. Acredito que conhecendo um pouco mais do Mário, essa parte "in", de dentro que irradia luz! Que a vibração de Iansã possa estar movendo e encaminhando todas as suas mudanças! Meu amigo... Um feijão com arroz bem temperado e com gosto pode ser uma das melhores e mais saborosas comidas! =)

    ResponderExcluir
  10. Parabéns como sempre
    maravilhoso o texto!!!!

    ResponderExcluir
  11. Bom texto kra, e provavelmente por pura sincronicidade ou qualquer coisa do gênero, achei-o num momento q estou d mudança p/ ctba, uma vez q nem sabia da existência de seu blog. A dúvida era tremenda se eu aceitava ou não a proposta d emprego mas resolvi encarar. ... De repente encontramo-nos pela capital. Abraços.

    Marco A. Klein

    ResponderExcluir